Advantag of ingestion administration way is its easiness even when applied at home. But with their help necessary treatment concentration in blood cannot be always quickly achieve doxycycline online transaction is carried out on anonymity and mutual profit principles, and in addition customers will be positively surprised with quality and speed of service.

Keflex

KEFLEX
cefalexina
Forma Farmacêutica e Apresentação:
Keflex é apresentado na forma líquida e em drágeas para uso oral nas seguintes embalagens:
Keflex drágea 500 mg - Embalagens com 8 e 40 drágeas.
Keflex drágea 1 g - Embalagens com 8 e 40 drágeas.
Keflex líquido 250 mg / 5 ml – frasco de vidro com 100 ml de suspensão oral preparada.
Via Oral – USO ADULTO E PEDIÁTRICO
Composição:
Keflex drágea 500 mg - Cada drágea 500 mg contém:
cefalexina monoidratada 530,2 mg, equivalente a 500 mg de cefalexina base.
Excipientes: estearato de magnésio, amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, dióxido
de titânio, amarelo FD&C nº 6 com laca de alumínio (amarelo crepúsculo), amarelo FD&C nº 5
com laca de alumínio (tartrazina), álcool polivinílico, polietilenoglicol e talco.
Keflex drágea 1 g - Cada drágea 1 g contém:
cefalexina monoidratada 1062,6 mg, equivalente a 1 g de cefalexina base.
Excipientes: estearato de magnésio, amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, dióxido
de titânio, amarelo FD&C nº 6 com laca de alumínio (amarelo crepúsculo), amarelo FD&C nº 5
com laca de alumínio (tartrazina), álcool polivinílico, polietilenoglicol e talco.
Keflex líquido 250 mg / 5 ml - Cada 1 ml da suspensão contém:
cefalexina monoidratada 53,02 mg, equivalente a 50 mg de cefalexina base.
Excipientes: estearato de alumínio, butilparabeno, óleo de mamona hidrogenado, lecitina,
cloreto de sódio, sacarose 300 mg, amarelo FD&C nº 6 com laca de alumínio (amarelo
crepúsculo), amarelo FD&C nº 5 com laca de alumínio (tartrazina), óleo de coco fracionado,
sabor artificial de guaraná 51880/A.
INFORMAÇÕES AO PACIENTE
Ação do Medicamento
Keflex é
um antibiótico pertencente ao grupo das cefalosporinas. Apresenta ação bactericida,
destruindo as bactérias causadoras do processo infeccioso.
Tempo médio para o início da ação farmacológica
Após a administração de Cefalexina em indivíduos normais, via oral, em jejum, a sua absorção
é rápida e os níveis sanguíneos máximos são geralmente atingidos em 1 hora, apesar de o
tempo necessário para atingir níveis máximos poderem variar consideravelmente. Após doses
de 250 mg, 500 mg e 1 g, níveis sangüíneos máximos médios de aproximadamente 9, 18 e 32
mcg/ml, respectivamente, foram obtidos em uma hora. Níveis mensuráveis estavam presentes
6 horas após a administração.
Indicação
Keflex
é indicado para o tratamento das seguintes infecções causadas por bactérias sensíveis
à cefalexina: sinusites (inflamação dos seios da face), infecções do trato respiratório, otite
média (inflamação do ouvido médio), infecções da pele e tecidos moles, infecções ósseas,
infecções do trato geniturinário e infecções dentárias.
Nota: De acordo com a história do paciente e aspectos clínicos, o médico poderá indicar a
realização de testes de sensibilidade à cefalexina e culturas apropriadas do microrganismo
causador.
Riscos do Medicamento
Contra-indicações: Keflex é contra-indicado em pacientes alérgicos às cefalosporinas.
Precauções e Advertências: Antes de iniciar o tratamento com Keflex, verifique
cuidadosamente se você já apresentou reações anteriores de hipersensibilidade (alergia) às
cefalosporinas e às penicilinas. Pacientes alérgicos à penicilina devem usar Keflex com
cuidado. Informe ao seu médico se você já teve alguma reação alérgica a antibióticos do tipo
das penicilinas ou cefalosporinas. Há evidencias clínicas e laboratoriais que apontam que os
pacientes que já são alérgicos às penicilinas e a outras drogas apresentem grande
possibilidade de desencadear reação alérgica também as cefalosporinas como a cefalexina.
Houve relatos de pacientes que apresentaram reações graves, incluindo anafilaxia (reação
violenta a uma segunda dose de algum antígeno) a ambas as drogas.
Houve relatos sobre graves danos ao tecido do cólon intestinal (colite pseudomembranosa)
com pacientes em tratamento com antibióticos de amplo espectro (ampla ação) incluindo as
cefalosporinas como a cefalexina e outros antibióticos como os macrolídeos, penicilinas semi-
sintéticas. É importante considerar este diagnóstico para pacientes que apresentem diarréia
associada ao uso de antibióticos. Essas colites (inflamações do intestino grosso) podem variar
de leve a intensa (com risco de vida). Informe ao seu médico sobre a ocorrência de diarréia
durante o uso do medicamento.
O uso prolongado ou inadequado da cefalexina, assim como os antibióticos em geral, poderá
resultar na proliferação de bactérias resistentes. A observação cuidadosa do paciente é
essencial. Se uma superinfecção ocorrer durante a terapia, seu médico deverá tomar as
medidas apropriadas.
Para reduzir o desenvolvimento de bactérias resistentes e manter a eficácia da cefalexina, este
medicamento deverá ser usado somente para o tratamento ou prevenção de infecções
causadas ou fortemente suspeitas de serem causadas por microorganismos sensíveis à
cefalexina.
Pacientes com insuficiência renal grave devem usar a cefalexina com cuidado. Essa condição
requer observação clínica e exames laboratoriais freqüentes, pois a dose segura poderá ser
menor do que a usualmente recomendada.
Não há recomendações e advertências quanto ao uso de Keflex por idosos.
Informe seu médico ou cirurgião-dentista a ocorrência de gravidez na vigência do
tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.
Interações medicamentosas: Poderá ocorrer uma reação falso-positiva para glicose na urina
com as soluções de Benedict ou Fehling ou com os comprimidos de sulfato de cobre para
teste.
A eliminação da cefalexina pelos rins é inibida pela probenecida. Keflex e metformina, em
doses únicas de 500 mg, apresentaram interação medicamentosa em indivíduos saudáveis.
Para segurança e eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral.
ATENÇÃO: Este produto contém o corante amarelo de TARTRAZINA que pode causar
reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas
alérgicas ao ácido acetilsalicílico.

ATENÇÃO: Este medicamento contém açúcar, portanto deve ser usado com cautela em
portadores de diabetes.

“Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação
médica.”

“Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis.”
“Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro
medicamento.”

“Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a
sua saúde.”

Modo de Uso
Keflex drágea é apresentado em drágeas de cor alaranjada.
Keflex líquido 250 mg / 5 ml é uma suspensão de cor alaranjada, aromatizada e adocicada.
As doses para adultos variam de 1 a 4 g diários, em doses divididas. A dose usual para adultos
é de 250 mg a cada 6 horas. Para tratar faringites estreptocócicas, infecções da pele e
estruturas da pele e cistites (inflamação da mucosa da bexiga) não complicadas em pacientes
acima de 15 anos de idade, uma dose de 500 mg ou 1 g pode ser administrada a cada 12
horas. O tratamento de cistites deve ser de 7 a 14 dias. Para infecções do trato respiratório,
causadas por S. pneumoniae e S. pyogenes, é necessário usar uma dose de 500 mg a cada 6
horas. Infecções mais graves ou causadas por microrganismos menos sensíveis requerem
doses mais elevadas. Se houver necessidade de doses diárias de cefalexina acima de 4 g, o
médico deve considerar o uso de uma cefalosporina injetável, em doses adequadas.
A dose diária recomendada para crianças é de 25 a 50 mg/kg em doses divididas. Para
faringites (inflamações da mucosa da faringe) estreptocócicas em pacientes com mais de um
ano de idade, infecções leves e não complicadas do trato urinário e infecções da pele e
estruturas da pele, a dose diária total poderá ser dividida e usada a cada 12 horas.
Exemplos de doses de Keflex líquido 250 mg / 5 ml (1 colher-medida) conforme o peso
da criança:

Dose de 25 mg/Kg
Dose de 50 mg/Kg
Quatro vezes ao dia
Duas vezes ao dia
Quatro vezes ao dia
Duas vezes ao dia
Nas infecções graves a dose pode ser dobrada.
No tratamento da otite média, os estudos clínicos demonstraram que são necessárias doses de 75 a 100 mg/kg/dia fracionadas em 4 doses.
No tratamento de infecções causadas por estreptococos beta-hemolíticos, a dose terapêutica deve ser administrada por 10 dias, no mínimo. Keflex é apresentado em drágeas e líquido para administração oral e pode ser usado
independente das refeições. Caso o paciente deixe de tomar uma dose, deverá tomá-la assim
que possível. Não use mais que a quantidade total de Keflex recomendada pelo médico em um
período de 24 horas. Agitar bem o frasco de Keflex líquido todas as vezes que for utilizar
o produto.

“Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração
do tratamento.”

“Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.”
“Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o
aspecto do medicamento.”

“Este medicamento, na sua forma de drágeas, não deve ser partido ou mastigado.”
Reações adversas
Sintomas de colite (inflamação do intestino grosso) pseudomembranosa podem aparecer
durante ou após o tratamento com antibiótico. Enjôos e vômitos foram relatados raramente. A
reação adversa mais freqüente tem sido a diarréia, sendo raramente grave o bastante para
determinar a interrupção do tratamento. Houve também relatos de dispepsia (indigestão), dor
abdominal e gastrite. Como acontece com algumas penicilinas ou cefalosporinas, há relatos
raros de hepatite (inflamação do fígado) transitória e icterícia (coloração amarela dos tecidos e
secreções por presença anormal de pigmentos biliares) colestática.
Foram observadas reações alérgicas na forma de erupções cutâneas, erupções cutâneas com
urticária (coceira), angioedema e raramente eritema (vermelhidão da pele) multiforme,
síndrome de Stevens-Johnson ou necrólise tóxica epidérmica (morte das células da pele).
Essas reações geralmente desaparecem com a suspensão da droga. Pode ser preciso terapia
de suporte em alguns casos. Houve também relatos de anafilaxia (reação violenta à segunda dose de algum antígeno).
Também ocorreram outras reações como prurido (coceira) anal e genital, monilíase (candidíase) genital, vaginite (inflamação da vagina), corrimento vaginal, tonturas, fadiga (cansaço), dor de cabeça, agitação, confusão, alucinações, artralgia (dor nas articulações), artrite (inflamação nas articulações) e doenças articulares. Houve relatos raros de nefrite intersticial reversível (inflamação dos rins). Eosinofilia, neutropenia, trombocitopenia, anemia hemolítica e elevações moderadas da transaminase glutâmico-oxalacética (TGO) e transaminase glutâmico-pirúvica no soro (TGP) têm sido referidas.
Conduta em caso de superdose
Os sintomas de uma dose oral muito elevada podem incluir enjôos, vômito, dor epigástrica (na
região superior e mediana do abdome), diarréia e hematúria (presença de sangue na urina). Se
o paciente apresentar esses sintomas ou se houver certeza de que ele tenha usado uma dose
muito elevada, certifique-se de que o paciente pode respirar bem, não provoque vômito, e
procure imediatamente atendimento médico. Informe o médico sobre o medicamento usado e a
quantidade ingerida para que ele tome as medidas necessárias.
Cuidados de conservação e uso
O medicamento, mesmo após aberto, deve ser armazenado em temperatura ambiente
controlada (15 a 30ºC) e ao abrigo da luz. Conservar os frascos bem tampados. O prazo de
validade do produto é de 2 anos e a data de validade está no rótulo e no cartucho.
“Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.”
INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Características Farmacológicas
Descrição:
A cefalexina é um antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas para
administração oral. É o ácido 7-(D-amino-fenilacetamido)-3-metil-3-cefem-4-carboxílico
monoidratado. Sua fórmula molecular é C16H17N3O4S•H2O e peso molecular de 365,4. Possui o
núcleo dos demais antibióticos cefalosporínicos. O composto é um zwitterion, isto é, a molécula contém agrupamentos ácido e básico. O ponto isoelétrico da cefalexina em água é de aproximadamente 4,5 a 5. A forma cristalina da cefalexina é de monoidrato. É um pó cristalino branco, com sabor amargo. A solubilidade em água é baixa à temperatura ambiente; 1 ou 2 mg/ml podem ser dissolvidos rapidamente; porém, concentrações mais altas são obtidas com dificuldade. As cefalosporinas diferem das penicilinas na estrutura do sistema bicíclico de anéis. A cefalexina tem um radical D-fenilglicílico como substituinte na posição 7-amino e um radical metil na posição 3.
Propriedades Farmacocinéticas
A cefalexina é ácido estável, podendo ser administrada sem considerar as refeições. É
rapidamente absorvida após administração oral. Após doses de 250 mg, 500 mg e 1 g, níveis
sangüíneos máximos médios de aproximadamente 9, 18 e 32 mcg/ml, respectivamente, foram
obtidos em uma hora. Níveis mensuráveis estavam presentes 6 horas após a administração. A
cefalexina é excretada na urina por filtração glomerular e secreção tubular. Os estudos
demonstraram que mais de 90% da droga foi excretada inalterada na urina dentro de 8 horas.
As concentrações máximas na urina durante este período foram de aproximadamente 1.000
mcg, 2.200 mcg e 5.000 mcg/ml, após doses de 250 mg, 500 mg e 1 g, respectivamente.
Propriedades Farmacodinâmicas
Testes in vitro demonstram que as cefalosporinas são bactericidas porque inibem a síntese da
parede celular. A cefalexina mostrou ser ativa tanto in vitro como em infecções clínicas contra a
maioria dos seguintes microrganismos, conforme relacionadas no item INDICAÇÕES:
Aeróbios gram-positivos: Estreptococos beta-hemolítico; Estafilococos (incluindo cepas
coagulase positivas, coagulase negativas e produtoras de penicilinase); Streptococcus
pneumoniae
(cepas sensíveis à penicilina).
Aeróbios gram-negativos:
Escherichia coli; Haemophilus influenzae; Klebsiel a spp.; Moraxel a
catarrhalis; Proteus mirabilis.

Nota: Os estafilococos meticilino-resistentes e a maioria das cepas de enterococos são resistentes à cefalexina. Não é ativa contra a maioria das cepas de Enterobacter spp., Morganel a morgani e Proteus vulgaris. A cefalexina não tem atividade contra as espécies de Pseudomonas spp. ou Acinetobacter calcoaceticus. Os Streptococcus pneumoniae penicilino-resistentes apresentam usualmente resistência cruzada aos antibióticos beta-lactâmicos.
Testes de Sensibilidade - Técnicas de Difusão: Os métodos quantitativos que requerem medidas de diâmetro de halos de inibição fornecem estimativas reproduzíveis da sensibilidade da bactéria às substâncias antimicrobianas. Um desses métodos padronizados, que foi recomendado para uso, com discos de papel para testar a sensibilidade dos microrganismos à cefalexina, utiliza discos com 30 mcg de cefalotina. A interpretação do método correlaciona os diâmetros dos halos de inibição obtidos com os discos com a concentração inibitória mínima (CIM) para cefalexina. Os relatórios de laboratório, dando resultados do teste de sensibilidade com disco único padrão, com um disco de cefalotina de 30 mcg devem ser interpretados de acordo com os seguintes critérios: Diâmetro do halo (mm)
Interpretação
Um resultado "sensível" significa que o patógeno pode ser inibido pelas concentrações da
substância antimicrobiana geralmente alcançáveis no sangue. Um resultado "intermediário"
indica que o resultado deve ser considerado equivocado e, se o microrganismo não apresentar
sensibilidade a outras drogas clinicamente alternativas, o teste deve ser então repetido. Esta
classificação sugere uma possível indicação clínica nos locais do organismo onde a droga se
concentra fisiologicamente ou em situações onde altas doses da droga podem ser usadas. Esta
classificação também abrange uma zona tampão que previne contra fatores técnicos que
possam causar discrepâncias maiores na interpretação. Um resultado "resistente" indica que as
concentrações alcançáveis da substância antimicrobiana no sangue são insuficientes para
serem inibitórias e que outra terapia deverá ser escolhida.
As medidas de CIM e das concentrações alcançáveis das substâncias antimicrobianas podem
ser úteis para orientar a terapia em algumas infecções (ver Propriedades Farmacocinéticas -
informações sobre as concentrações alcançáveis nos locais da infecção e outras propriedades
farmacocinéticas desta droga antimicrobiana).
Os métodos padronizados requerem o uso de microrganismos controlados em laboratório. O
disco de cefalotina de 30 mcg deve dar os seguintes halos de inibição quando testados com
estas cepas de controle para testes de laboratório:
Microrganismo
Diâmetro do halo (mm)
Técnicas de Diluição: Os métodos quantitativos usados para determinar os valores de CIM fornecem estimativas reproduzíveis da sensibilidade da bactéria às substâncias antimicrobianas. Um desses métodos padronizados utiliza a diluição em caldo, ágar, microdiluição ou equivalente com cefalotina. Os resultados da CIM devem ser interpretados de acordo com os seguintes critérios: CIM (mcg/ml)
Interpretação
A interpretação deve ser como a estabelecida acima para resultados usando métodos de difusão.
Como com os métodos-padrão de difusão, os métodos de diluição requerem o uso de microrganismos de controle em laboratório. A cefalotina padrão em pó deve fornecer os seguintes valores de CIM: Microrganismo
Variação do CIM (mcg/ml)
Resultados de eficácia
Infecções do Trato Respiratório Superior: Nos estudos clínicos, mais de 400 pacientes foram
tratados com cefalexina para tonsilite, faringite ou escarlatina causadas pelo estreptococo beta-
hemolítico grupo A. A dose habitual variou de 20 a 30 mg/kg/dia por 10 dias. Uma resposta
satisfatória, indicada como uma remissão clínica dos sintomas e culturas negativas no período
de acompanhamento atingiu 94% dos pacientes.
McLinn13 avaliou a segurança e eficácia da cefalexina administrada duas a quatro vezes ao dia
no tratamento de pacientes com faringite estreptocócica. A idade dos pacientes variou de
menos de 1 ano até 20 anos. Uma resposta sintomática satisfatória ao tratamento (melhora
significante ou desaparecimento dos sinais e sintomas com nenhuma recidiva durante os 7 dias
após o período de pós-tratamento) foi observada em 92 dos 97 pacientes tratados duas vezes
ao dia (95%) e em 85 dos 89 pacientes tratados quatro vezes ao dia (96%). O autor concluiu
que no tratamento da faringite estreptocócica, a cefalexina administrada duas vezes ao dia
pareceu ser tão eficaz quanto a administrada quatro vezes ao dia, desde que as doses totais
diárias fossem equivalentes e o tratamento continuado por 10 dias.
Browning1 comparou a eficácia da cefalexina, 500 mg administrada duas vezes ao dia com 1 g
administrada duas vezes ao dia, em pacientes com infecções do trato respiratório superior,
principalmente tonsilite, faringite, sinusite e otite média; do trato respiratório inferior,
primeiramente com bronquite aguda e exacerbações agudas da bronquite crônica. Oito por
cento de todos os pacientes ou mais foram tratados “com êxito” ou apresentaram “melhora
considerável” após 6 dias de tratamento com a cefalexina. Não houve diferença de eficácia
entre as duas escalas de dose.
Marks e Garrett11 relataram uma taxa de sucesso de 88% em otite média. Disney3 revisou a
literatura da cefalexina no tratamento da otite média. As doses eficazes foram de 50 a 100
mg/kg/dia, exceto para o Haemophilus influenzae, na qual houve uma taxa de falhas de 50%.
McLinn et al12 estudaram a cefalexina no tratamento de otite média em 97 crianças. A
cefalexina foi administrada a uma dose de 100 mg/kg/dia dividida em quatro vezes ao dia por
10 a 12 dias. Foi notado um êxito do resultado clínico e bacteriológico em 90/97 (93%) das
crianças no primeiro período de acompanhamento (48 horas).
Infecções do trato respiratório inferior: Durante os estudos clínicos, 785 pacientes avaliáveis
foram tratados com cefalexina para infecções do trato respiratório inferior. Trezentos e vinte e
um desses pacientes foram diagnosticados com bronquite aguda ou com exacerbações agudas
da bronquite crônica. As doses mais freqüentemente usadas foram de 25 a 50 mg/kg/dia para
crianças e de 1 a 2 gramas diários para adultos. O período habitual de tratamento foi de 1
semana.
O Streptococcus pneumoniae foi o patógeno mais comum, seguido pelo Haemophilus
influenzae
como o segundo mais comum. Foi relatada uma resposta clínica satisfatória em 716
dos 785 pacientes (91%). Foi registrada uma resposta clínica satisfatória em 89% do subgrupo
de bronquite.
Fass et al5 revisaram o experimento com cefalexina no tratamento da pneumonia nos pacientes
adultos. Os resultados nos casos de pneumonia em crianças foram relatados por Rosenthal et
al15. Dois estudos adicionais publicados relataram o uso de cefalexina em pacientes com
exacerbações purulentas de bronquite crônica. A dose habitual foi de 2 g/dia por 10 dias e, em
alguns casos, de 4 g/dia por 5 dias.
Infecções da pele e tecidos moles: A cefalexina foi eficaz no tratamento de infecções da pele e
de tecidos moles, assim como nas infecções traumáticas e do pós-operatório. Nos estudos
clínicos, a cura bacteriológica foi notada em 93% dos pacientes tratados com infecções da pele
e de estruturas da pele causadas por Staphylococcus aureus. As condições tratadas incluíram
infecções de feridas, furúnculos, impetigo, pioderma, úlcera da pele, abscesso subcutâneo,
celulite e linfadenite.
DiMattia et al2 relataram resultados de um estudo multicêntrico, comparando a eficácia da
cefalexina em regimes de dose de duas vezes ao dia vs. quatro vezes ao dia no tratamento de
154 pacientes com infecções dermatológicas. A idade da população variou de 1 mês a 70 anos.
A dose total para o adulto foi de 1 g/dia e a dose pediátrica foi de 20 a 30 mg/kg/dia. Ambas as escalas de dose exibiram uma eficácia maior que 97%.
Browning1 comparou doses de 1 g com 2 g de cefalexina administradas como 500 mg ou 1 g duas vezes ao dia no tratamento de infecções da pele e de estruturas da pele. Uma resposta satisfatória foi vista em 99%.
Infecções do trato urinário: Cento e oitenta e quatro pacientes foram admitidos em um estudo multi-institucional, paralelo, duplo-cego comparando cefalexina 250 mg administrada quatro vezes ao dia com cefalexina 500 mg administrada duas vezes ao dia em pacientes com infecções agudas do trato urinário inferior. Uma resposta sintomática satisfatória, definida como o desaparecimento ou melhora dos sinais e sintomas da infecção com nenhuma reincidência em 5 a 9 dias após o tratamento, foi vista em 92% dos pacientes na escala de administração duas vezes ao dia e em 90% dos pacientes na escala de administração quatro vezes ao dia. A cura bacteriológica foi atingida em 93% dos pacientes da escala de administração duas vezes ao dia e em 91% dos pacientes da escala de administração quatro vezes ao dia.
Fennel et al6 avaliaram a eficácia da cefalexina no tratamento de bacteriúria em 93 crianças. A cefalexina foi administrada como uma dose oral de 12,5 mg/kg quatro vezes ao dia por 2 semanas, seguida da mesma dose administrada duas vezes ao dia por 4 semanas. O tratamento com cefalexina erradicou os organismos sensíveis em 97% dos casos sem relação de reincidência, anomalia estrutural ou estado da função renal.
Weinstein19 revisou vários estudos da cefalexina no tratamento de infecções do trato urinário. Mais de 90% dos indivíduos com cistite, pielonefrite aguda (não sendo necessária a hospitalização) e infecções agudas do trato urinário não diferenciada responderam satisfatoriamente ao tratamento com cefalexina. O autor notou que concentrações significantes na urina são obtidas sempre após a administração de doses relativamente baixas. Aproximadamente 800 mcg de cefalexina por ml de urina estão presentes 2 horas após a administração de uma dose de 250 mg, e 50 mcg/ml estão presentes após 8 horas. Com uma dose de 500 mg, a urina contém quase 2200 mcg/ml em 2 horas e, após 8 horas, as concentrações são de 400 a 500 mcg/ml. Ele notou que a eficácia da cefalexina contra os patógenos comuns do trato urinário foi bem estabelecida. O atributo de concentração na urina da cefalexina permite a obtenção de concentrações urinárias além de um excesso daqueles que necessitam inibir os microrganismos que poderiam ser considerados resistentes se eles fossem responsáveis por infecções em outros locais.
Levinson et al10 observaram 23 pacientes que receberam uma dose de 500 mg de cefalexina administrada quatro vezes ao dia por períodos de 2 a 3 semanas. A maioria dos pacientes teve evidências de anomalias estruturais ou infecções crônicas do trato urinário. Todos os 23 pacientes tornaram-se abacteriúricos dentro de 72 horas após o início do tratamento e 10 pacientes (43%) permaneceram abacteriúricos por 2 ou mais meses após a descontinuação do tratamento. Fairley4 relatou êxito no tratamento de 82% das infecções recorrentes do trato urinário em mulheres. A dose foi de 2 g/dia de cefalexina administrada por 1 a 2 semanas.
Infecções ósseas: Os resultados de um ensaio quantitativo de cefalexina presente no osso alveolar mandibular foram relatados por Shuford16. Dezesseis pacientes receberam doses múltiplas de cefalexina (500 mg a cada 6 horas por no mínimo 48 horas) e amostras foram obtidas para o ensaio aproximadamente 1 hora após a última dose. Concentrações mensuráveis no osso alveolar variaram de 0,77 a 9,3 mcg/g, com uma média de 2,8 mcg/g.
Cinqüenta espécimes de fluido articular foram obtidos de 16 crianças com artrite séptica. Após a administração de uma dose de 25 mg/kg de cefalexina, amostras simultâneas do soro e do fluido articular foram obtidas com concentrações médias de 17,1/11,3 mcg/ml em 2 horas, 3,1/6,2 mcg/ml em 4 horas e 0,7/1,8 mcg/ml em 6 horas.
Jalava et al7 administraram cefalexina, 1 g por via oral a cada 6 horas em 13 pacientes com artrite reumatóide e efusões crônicas do joelho sem artrite bacteriana. As concentrações encontradas no líquido sinovial (3,8 a 15,5 mcg/ml), sinóvia (1,6 a 5,6 mcg/g), cartilagem (3,0 a 5,3 mcg/g) e osso (1,3 a 3,1 mcg/g), após uma dose oral, foram altas o bastante para ter um efeito terapêutico na artrite bacteriana devido aos organismos sensíveis à cefalexina.
Não é possível a correlação direta dos níveis ósseos e dos resultados clínicos. Entretanto, os estudos clínicos demonstraram a eficácia da cefalexina no tratamento da osteomielite quando causada por organismos sensíveis.
Tetzlaff et al18 avaliaram o uso da cefalexina após 5 a 9 dias do tratamento com antibiótico parenteral em pacientes pediátricos com osteomielite e artrite supurativa. A cefalexina foi eficaz e bem tolerada por pacientes que receberam a droga em doses de 100 a 150 mg/kg/dia por 3 semanas a 14 meses.
Hughes et al9 relataram a eficácia da cefalexina no tratamento da osteomielite crônica em 14 pacientes. Muitos dos pacientes no estudo apresentavam-se com infecções que estavam presentes por, no mínimo, 1 ano; um paciente apresentava uma infecção por 15 anos. A dose de cefalexina foi de 1 g administrada quatro vezes ao dia, seguida por 500 mg administrada quatro vezes ao dia por um total de 6 semanas. O período de acompanhamento variou de 2 a 5 anos com uma média de 3,75 anos. Infecções dentárias: Testes qualitativos in vitro indicam que a cefalexina tem atividade contra vários organismos isolados da cavidade oral, incluindo Peptostreptococcus, Bacteroides, Veil onel a, Fusobacterium, Actinomyces e estreptococo alfa.
Johnson e Foord8 relataram a respeito de 19 pacientes com infecções dentárias que receberam cefalexina, 1 ou 2 g por 7 dias. As respostas satisfatórias foram relatadas em 89% dos pacientes.
Stratford17 relatou a respeito de pacientes tratados de várias infecções, incluindo três com abscessos apicais da raiz. Os organismos infectantes foram Streptococcus mitis, Staphylococcus aureus e estreptococo beta-hemolítico (grupo C ou G). A dose de cefalexina foi de 4 g/dia por 5 dias. As infecções melhoraram em cada instância. Os resultados de um ensaio quantitativo da cefalexina presente no osso alveolar mandibular e no sangue foram relatados por Shuford16. O estudo consistiu de 16 pacientes submetidos a extrações selecionadas e a alveoloplastia para o tratamento das condições dentárias. Todos os pacientes receberam cefalexina, 500 mg a cada 6 horas por no mínimo 48 horas antes da obtenção das amostras para o teste. Os níveis médios no sangue e no osso foram de 4,67 mcg/ml (variação de 1,1 a 12,6 mcg/ml) e 2,8 mcg/g (variação de 0,77 a 9,3 mcg/g), respectivamente. O autor notou que a média das concentrações de cefalexina no sangue e no osso excedeu aos valores de concentração mínima inibitória para os organismos comumente encontrados nas infecções dentárias e bacteremias.
Nord14 demonstrou a presença de cefalexina sob os dentes no osso da mandíbula após a administração oral. Seis pacientes sem infecção na maxila receberam 500 mg de cefalexina após 12 horas de jejum. O pico dos níveis ósseos foi obtido após cerca de 2 horas e variou de 2,5 a 3,5 mcg/ml.
Indicações
A cefalexina é indicada para o tratamento das infecções listadas abaixo, quando causadas por
cepas sensíveis dos seguintes microrganismos:
Sinusites bacterianas causadas por estreptococos, S. pneumoniae e Staphylococcus aureus
(somente os sensíveis à meticilina).
Infecções do trato respiratório causadas por S. pneumoniae e S. pyogenes (a penicilina é o
antibiótico de escolha no tratamento e prevenção de infecções estreptocócicas, incluindo a
profilaxia da febre reumática. A cefalexina é geralmente eficaz na erradicação de estreptococos
da nasofaringe; contudo, dados substanciais estabelecendo a eficácia da cefalexina na
prevenção tanto da febre reumática como da endocardite bacteriana não estão disponíveis até
o momento).
Otite média causada por S. pneumoniae, H. influenzae, M. catarrhalis, outros estafilococos e
estreptococos.
Infecções da pele e tecidos moles causadas por estafilococos e/ou estreptococos sensíveis à
cefalexina.
Infecções ósseas causadas por estafilococos e/ou P. mirabilis.
Infecções do trato geniturinário incluindo prostatite aguda, causadas por E. coli, P. mirabilis e
Klebsiel a pneumoniae.
Infecções dentárias causadas por estafilococos e/ou estreptococos sensíveis à cefalexina.
Nota: Deverão ser realizados testes de sensibilidade à cefalexina e culturas apropriadas do
microrganismo causador. Estudos da função renal devem ser efetuados quando indicado pelo
médico.
Contra-indicações
A cefalexina é contra-indicada em pacientes alérgicos as cefalosporinas.
Modo de usar e cuidados de conservação depois de aberto
Keflex
deve ser administrado por via oral e independente das refeições. Agitar bem o frasco
de Keflex líquido todas as vezes que for utilizar o produto.

As embalagens de Keflex drágeas e líquido, depois de abertas, devem ser guardadas em
temperatura ambiente controlada (15 a 30ºC) e ao abrigo da luz. Conservar os frascos bem
tampados.
Posologia
A cefalexina é administrada por via oral. Caso o paciente deixe de tomar uma dose, deverá
tomá-la assim que possível.
Adultos - as doses para adultos variam de 1 a 4 g diários, em doses fracionadas. A dose usual
para adultos é de 250 mg a cada 6 horas. Para faringites estreptocócicas, infecções da pele e
estruturas da pele e cistites não complicadas, em pacientes acima de 15 anos de idade, uma
dose de 500 mg ou 1 g pode ser administrada a cada 12 horas. O tratamento de cistites deve
ser de 7 a 14 dias. Para infecções do trato respiratório causadas por S. pneumoniae e S.
pyogenes
, uma dose de 500 mg deve ser administrada a cada 6 horas. Para infecções mais
graves ou aquelas causadas por microrganismos menos sensíveis poderão ser necessárias
doses mais elevadas. Se doses diárias de cefalexina acima de 4 g forem necessárias, deve ser
considerado o uso de uma cefalosporina parenteral, em doses adequadas.
Crianças - a dose diária recomendada para crianças é de 25 a 50 mg/kg, em doses
fracionadas. Para faringites estreptocócicas, em pacientes com mais de um ano de idade,
infecções do trato urinário leve e não complicadas e infecções da pele e estruturas da pele, a
dose diária total poderá ser fracionada e administrada a cada 12 horas.
Exemplos de doses de Keflex líquido 250 mg / 5 ml (1 colher-medida) conforme o peso
da criança:

Dose de 25 mg/Kg
Dose de 50 mg/Kg
Quatro vezes ao dia
Duas vezes ao dia
Quatro vezes ao dia
Duas vezes ao dia
Nas infecções graves a dose pode ser dobrada.
No tratamento da otite média, os estudos clínicos demonstraram que são necessárias doses de 75 a 100 mg/kg/dia fracionadas em 4 doses.
No tratamento de infecções causadas por estreptococos beta-hemolíticos, a dose terapêutica deve ser administrada por 10 dias, no mínimo. Advertências
Gerais: Antes de ser instituída a terapêutica com a cefalexina, deve-se pesquisar
cuidadosamente reações prévias de hipersensibilidade às cefalosporinas e às penicilinas. Os
derivados da cefalosporina-C devem ser administrados cuidadosamente a pacientes alérgicos
à penicilina.
Reações agudas graves de hipersensibilidade podem levar à necessidade do uso de
adrenalina ou outras medidas de emergência. Há alguma evidência clínica e laboratorial de
imunogenicidade cruzada parcial entre as penicilinas e as cefalosporinas. Foram relatados
casos de pacientes que apresentaram reações graves (incluindo anafilaxia) a ambas as drogas.
Qualquer paciente que tenha demonstrado alguma forma de alergia, particularmente a drogas,
deve receber antibióticos com cautela, não devendo haver exceção com a cefalexina.
Foi relatada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos de amplo
espectro (incluindo os macrolídeos, penicilinas semi-sintéticas e cefalosporinas); portanto, é
importante considerar este diagnóstico em pacientes que apresentam diarréia em associação
ao uso de antibióticos. Essas colites podem variar de gravidade, de leve a intensa com risco de
vida. Casos leves de colite pseudomembranosa usualmente respondem somente com a
interrupção do tratamento. Em casos moderados a graves, medidas apropriadas devem ser
tomadas.
Os pacientes devem ser seguidos cuidadosamente para que qualquer reação adversa ou
manifestação inusitada de idiossincrasia à droga possa ser detectada. Se ocorrer uma reação
alérgica à cefalexina, a droga deverá ser suspensa e o paciente tratado com drogas
apropriadas (por ex.: Adrenalina ou outras aminas pressoras, anti-histamínicos ou
corticosteróides).
O uso prolongado e/ou inadequado da cefalexina poderá resultar na proliferação de bactérias
resistentes. A observação cuidadosa do paciente é essencial. Se uma superinfecção ocorrer
durante a terapia, devem-se tomar as medidas apropriadas.
Quando indicada uma intervenção cirúrgica, esta deverá ser feita junto com a terapia
antibiótica.
Antibióticos de amplo espectro devem ser prescritos com cuidado a pacientes com história de
doença gastrointestinal, particularmente colite.
ATENÇÃO: ESTE PRODUTO CONTÉM O CORANTE AMARELO DE TARTRAZINA QUE
PODE CAUSAR REAÇÕES DE NATUREZA ALÉRGICA, ENTRE AS QUAIS ASMA
BRÔNQUICA, ESPECIALMENTE EM PESSOAS ALÉRGICAS AO ÁCIDO
ACETILSALICÍLICO.
ATENÇÃO: ESTE MEDICAMENTO CONTÉM AÇÚCAR, PORTANTO DESE SER USADO
COM CAUTELA EM PORTADORES DE DIABETES.
Carcinogênese, mutagênese, danos à fertilidade: A administração oral diária de cefalexina a
ratos em doses de 250 ou 500 mg/Kg, antes e durante a gravidez, ou ratos e camundongos
durante somente o período de organogênese, não teve efeito adverso na fertilidade, viabilidade
fetal, peso fetal ou tamanho da ninhada, a cefalexina não mostrou aumento de toxicidade em
ratos recém-nascidos e em desmamados, comparados com ratos adultos.
Pacientes Idosos e outros grupos de risco: deve-se administrar com cautela Keflex nestes
indivíduos.
Gravidez: Categoria de risco na gravidez: B: Este medicamento não deve ser utilizado por
mulheres grávidas sem orientação médica.
Uso durante a lactação: A excreção da cefalexina no leite aumentou até 4 horas após uma
dose de 500 mg, alcançando o nível máximo de 4 mcg/ml, decrescendo gradualmente, até
desaparecer 8 horas após a administração; portanto, a cefalexina deve ser administrada com
cuidado a mulheres que estão amamentando.
Não há estudo de Keflex administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e
eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral.
Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco
Pacientes Idosos: De um total de 701 indivíduos participantes de 3 estudos clínicos de
cefalexina publicados, 433 (62%) tinham 65 anos ou mais. Em geral, não foram observadas
diferenças na segurança e eficácia entre os pacientes idosos em comparação com indivíduos
jovens, e em outra experiência clínica realizada não foram identificadas diferenças nas
respostas entre pacientes idosos e jovens, mas a grande sensibilidade de alguns indivíduos
idosos não pode ser descartada.
Este medicamento é conhecido por ser substancialmente excretado pela via renal, e o risco de
reações tóxicas devido ao medicamento pode ser grande em pacientes com insuficiência renal.
Devido aos pacientes idosos serem mais propensos a apresentarem função renal diminuída, a
escolha da dose deve ser feita com cautela e a função renal deve ser monitorada.
Insuficiência renal: A cefalexina deve ser administrada com cuidado na presença de
insuficiência renal grave, tal condição requer uma observação clínica cuidadosa, bem como
exames de laboratório freqüentes, porque a dose segura poderá ser menor do que a
usualmente recomendada.
Interações medicamentosas
Em indivíduos saudáveis usando doses únicas de 500 mg de cefalexina e metformina, a CMAX
plasmática e a AUC da metformina aumentaram em média 34% e 24%, respectivamente. O
clearance renal dessa droga diminuiu em média 14%. Não há informações acerca da interação
de cefalexina e metformina em doses múltiplas.
Testes de COOMBS direto positivos foram relatados durante o tratamento com antibióticos
cefalosporínicos. Em estudos hematológicos, nas provas de compatibilidade sanguínea para
tranfusão, quando são realizados testes “MINOR” de antiglobulina, ou nos testes de COOMBS
nos recém-nascidos, cujas mães receberam antibióticos cefalosporínicos antes do parto, deve-
se lembrar que um resultado positivo poderá ser atribuído à droga.
Poderá ocorrer uma reação falso-positiva para glicose na urina com as soluções de Benedict
ou Fehling ou com os comprimidos de sulfato de cobre para teste.
Como ocorre com outros antibióticos beta-lactâmicos, a excreção renal da cefalexina é inibida
pela probenecida.
Reações adversas
Gastrointestinais: Sintomas de colite pseudomembranosa podem aparecer durante ou após o
tratamento com antibióticos, náuseas e vômitos tem sido relatados raramente. A reação
adversa mais freqüente tem sido a diarréia, sendo raramente grave o bastante para determinar
a cessação da terapia. Tem também ocorrido dispepsia, dor abdominal e gastrite. Como
acontece com algumas penicilinas ou cefalosporinas, tem sido raramente relatada hepatite
transitória e icterícia colestática.
Hipersensibilidade: Foram observadas reações alérgicas na forma de erupções cutâneas,
urticária, angioedema e raramente eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson, ou
necrólise tóxica epidérmica. Essas reações geralmente desaparecem com a suspensão da
droga. Terapia de suporte pode ser necessária em alguns casos. Anafilaxia também foi
relatada.
Outras reações têm incluído prurido anal e genital, monilíase genital, vaginite e corrimento
vaginal, tonturas, fadiga e dor de cabeça, agitação, confusão, alucinações, artralgia, artrite e
doenças articulares. Tem sido raramente relatada nefrite intersticial reversível. Eosinofilia,
neutropenia, trombocitopenia, anemia hemolítica e elevações moderadas da transaminase
glutâmico-oxalacética no soro (TGO) e transaminase glutâmico-pirúvica no soro (TGP) tem sido
referidas.
Superdose
Os sintomas de uma superdose oral podem incluir náusea, vômito, dor epigástrica, diarréia e
hematúria. Se outros sintomas surgirem é provável que sejam secundários à doença
concomitante, a uma reação alérgica ou aos efeitos tóxicos de outra medicação.
Ao tratar uma superdose, considerar a possibilidade de intoxicação múltipla, interação entre
drogas e cinética inusitada da droga no paciente.
Não será necessária a descontaminação gastrointestinal, a menos que tenha sido ingerida uma
dose 5 a 10 vezes maior que a dose habitualmente recomendada.
Proteger a passagem de ar para o paciente e manter ventilação e perfusão.
Monitorar e manter meticulosamente dentro de limites aceitáveis os sinais vitais do paciente, os
gases do sangue, eletrólitos séricos, etc. A absorção de drogas pelo trato gastrointestinal pode
ser diminuída administrando-se carvão ativado, que em muitos casos é mais eficaz do que a
êmese ou a lavagem; considerar o carvão ativado ao invés de ou em adição ao esvaziamento
gástrico. Doses repetidas de carvão ativado podem acelerar a eliminação de algumas drogas
que foram absorvidas. Proteger as vias aéreas do paciente quando empregar o esvaziamento
gástrico ou carvão ativado.
Diurese forçada, diálise peritoneal, hemodiálise ou hemoperfusão com carvão ativado não
foram estabelecidos como métodos benéficos nos casos de superdosagem com cefalexina;
assim, seria muito pouco provável que um desses procedimentos pudesse ser indicado.
A DL50 oral da cefalexina em ratos é de 5.000 mg/kg.
Armazenagem
O medicamento deve ser armazenado em temperatura ambiente controlada (15 a 30ºC) e ao
abrigo da luz. Conservar os frascos bem tampados. O prazo de validade do produto é de 2
anos e a data de validade está impressa no rótulo e no cartucho.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Browning AK. The efficacy of twice daily cephalexin. Pharmatherapeutica 1981;2:559-564.
2. DiMattia AF, Sexton MJ, Smialowicz CR, Knapp WH Jr. Efficacy of two dosage schedules of
cephalexin in dermatologic infections. J Fam Pract 1981;12:649-652.
3. Disney FA. Cephalexin in the treatment of upper respiratory tract infections. Postgrad Med J
1983;59(suppl 5):28.
4. Fairley KF. Cephalexin in recurrent urinary tract infection. Postgrad Med J 1970;46 (suppl):
24.
5. Fass RJ, Perkins RL, Saslaw S, et al. Cephalexin--A new oral cephalosporin: Clinical
evaluation in sixty-three patients. Am J Med Sci 1970;259:187.
6. Fennel RS III, Walker RD, Garin EH, Richard GA. Cephalexin in the management of
bacteriuria: results in the treatment of 93 children. Clin Pediatr 1975;14:934-938.
7. Jalava S, Saarimaa H, Elfving R. Cephalexin levels in serum, synovial fluid and joint tissues after oral administration. Scand J Rheumatol 1977;6:250.
8. Johnson SE, Foord RD. Cephalexin dosage in general practice assessed by double-blind trial. Curr Med Res Opin 1972;1:37.
9. Hughes SPF, Nixon J, Dash CV. Cephalexin in chronic osteomyelitis. J R Col Surg Edinb 1981;26:335-339.
10. Levison ME, Johnson WD, Thornhil TS, Kaye D. Clinical and in vitro evaluation of cephalexin. JAMA 1969;209:1331.
11. Marks JH, Garrett RT. Cephalexin in general practice. Postgrad Med J 1970;46(suppl):113.
12. McLinn SE, Daly JF, Jones JE. Cephalexin monohydrate suspension: Treatment of otitis media. JAMA 1975;234(2)171-173.
13. McLinn SE. Comparison of two dosage schedules in the treatment of streptococcal pharyngitis. J Int Med Res 1983;11:145-148.
14. Nord CE. Distribution of cephalexin in the mandible. Cephalosporins: Dimensions and Future, Excerpta Medica, 1974:85-89.
15. Rosenthal IM, Metzger WA, Laxminarayana MS, et al. Treatment of pneumonia in childhood with cephalexin. Postgrad Med J 1971;47(suppl):51.
16. Shuford GM. Concentrations of cephalexin in mandibular alveolar bone, blood and oral fluids. J Am Dent Assoc 1979;99:47.
17. Stratford BC. Clinical experience with cephalexin. Med J Aust 1970;2:73-77.
18. Tetzlaff TR, McCracken GH Jr, Thomas ML. Oral antibiotic therapy for skeletal infections of children. J Pediatr 1978;92:485.
19. Weinstein AJ. Cephalexin in the therapy of infections of the urinary tract. Postgrad Med J 1983;59:40-42.
20. T.M Speight, R.N Brogden, G.S Avery.Cephalexin: a review of its antibacterial, pharmacological and therapeutic properties. Drugs 3.1972;9:78.
- Nº do lote, data de fabricação e de validade: vide embalagem externa.
Reg. MS. 1.5626.0017.
Farmacêutico Responsável: Patrícia Machado de Campos - CRF-RJ nº 9817.
Fabricado por ANTIBIÓTICOS DO BRASIL LTDA.
Rod. Gal. Milton Tavares de Souza, SP-332, Km 135 – Cosmópolis - SP.
Distribuído por: LABORATÓRIOS BAGÓ LTDA.
R. Cônego Felipe, 365Rio de Janeiro / RJ - CEP: 22.713-010.
CNPJ nº 04.748.181/0001-90.
Indústria Brasileira.
Venda sob prescrição médica.

Source: http://www.cefalexina.com.br/wp-content/uploads/2013/04/bula-keflex-em-pdf.pdf

"wyeth v. levine: limits on the scope of fda preemption and implications for drug and medical device manufacturers," bna's pharmaceutical law & industry report (april 2009)

PHARMACEUTICAL LAW & INDUSTRY ! Reproduced with permission from PharmaceuticalLaw & Industry Report, 7 PLIR 388, 04/03/2009. Copy-right ஽ 2009 by The Bureau of National Affairs, Inc. (800-372-1033) http://www.bna.comWyeth v. Levine: Limits on the Scope of FDA PreemptionAnd Implications for Drug and Medical Device ManufacturersBY KAREN A. GIBBS, HEATHER L. HODGES, ANDnies instead

youville.ca

Do You Know. Alcohol Street names: booze, sauce, drink What is it? Alcohol is a ―depressant‖ drug. That means it slows down the parts of your brain that affect your thinking and behaviour, as well as your breathing and heart rate. The use of alcohol has been traced as far back as 800 BC, and is common in many cultures today. Where does alcohol come from? Alcohol is produced

Copyright © 2010-2014 Medical Articles