Bardzo tanie apteki z dostawą w całej Polsce kupic levitra i ogromny wybór pigułek.

Jornal mulier – agosto de 2006, nº 3

Jornal Mulier – Agosto de 2006, Nº 31
Anorexia, depressão, histeria, síndrome de pânico: mulheres são as principais
vítimas de transtornos psicossomáticos

Um dos grandes enigmas da humanidade, os transtornos mentais até hoje procuram ser
explicados por diversas áreas do conhecimento. Ao menos já se sabe que estas doenças
têm raízes psicológicas, biológicas, sociais e culturais. Uma curiosidade é que a maior
parte da população acometida é formada por mulheres, fato motivador de muito
preconceito e todo tipo de especulação sobre as suas causas.
Durante o século XIX, a ciência passou a disseminar a ideia dos homens serem mais
identificados com a cultura, enquanto as mulheres, com a natureza. Os homens agiam
sob o predomínio da razão, da inteligência. As mulheres agiam sob o domínio do coração,
dos sentimentos e da sensibilidade, sendo seres mais frágeis, sedutores, submissos e
dóceis. Mulheres que não seguiam esse padrão eram tidas como seres antinaturais. A
figura feminina também era vista, assim como a natureza, como um ser misterioso e
imprevisível. Esse conjunto de características do bem e do mal levou à consideração da
mulher como um ser perigoso. Ela deveria estar submetida a um conjunto de regras
rígidas que assegurassem o cumprimento de seu papel social de esposa e mãe,
garantindo a vitória do bem contra o mal.
A maternidade que cura
A maternidade era considerada a essência da mulher, estava inscrita em sua própria
natureza. Para aquelas que não quisessem ou pudessem ser mães, aos olhos dos
médicos não haveria salvação. Cedo ou tarde, acabariam acometidas pela insanidade.
Portanto, acreditava-se que a maternidade poderia prevenir e até mesmo curar os
distúrbios psíquicos relacionados à sexualidade, a predisposição à doença mental estaria
inscrita no organismo feminino. Ao recusar-se a exercer seus papéis sociais de esposa e
mãe, ela poderia desenvolver doenças.
A iniciação e o término da vida sexual da mulher eram períodos delicados para a saúde
da mesma, pois representavam momentos propícios ao aparecimento de distúrbios
mentais. A mística em tono da menstruação fazia com que tivesse qualidades mágicas
associadas à loucura e à morte. Nos relatórios médicos psiquiátricos, a menstruação
aparecia como um dos pontos mais valorizados na construção dos diagnósticos, sendo
comum a observação de irregularidades menstruais e o agravamento dos sintomas da
doença durante este período.
As especulações sobre a sexualidade feminina também levavam a crer ser anormal a
mulher que sobrepunha o seu desejo e prazer sexual ao instinto materno. Sua
sexualidade somente não ameaçaria sua integridade física, moral e mental se ficasse
entre a falta e o excesso, além de exclusivamente no leito conjugal. Para os médicos, de
modo geral, as crises nervosas e histéricas seriam originárias na puberdade com o
despertar dos desejos sexuais não realizados e poderiam ser agravadas por leituras
inconvenientes, pela vida sedentária e pela beatice religiosa.
Relegadas à própria sorte

Até o século XIX, as pessoas com distúrbios psíquicos geralmente perambulavam
abandonadas pelas ruas ou eram trancafiadas discretamente em suas casas. Mais tarde,
a psiquiatria passou a ver a loucura como doença, defendendo a permanência dos
doentes em abrigos terapêuticos, onde estariam protegidos, o doente e a sociedade, já
que se temia um possível contágio. O historiador e professor holandês, Martin van
Creveld, observa que as imagens de asilos para loucos retratam poucas mulheres. Os
homens constituíam a maioria dos internos, retratados como lunáticos embrutecidos,
amarrados, acorrentados e submetidos a todo tipo de tratamento desumanizante.
Somente quando a psiquiatria passa a ver as pessoas perturbadas como doentes e
humaniza o tratamento, começa a aparecer a figura da mulher perturbada. Era
geralmente jovem e bonita. Não aparecia acorrentada, mas reclinada em almofada em
quarto confortável com um olhar de assombro, como o de quem não sabe onde está,
talvez pedindo ajuda. A partir de então, as mulheres passam a ser maioria entre os
internos, fato que, segundo o historiador, deve-se à melhora no atendimento, pois elas
não aguentariam os tratamentos dispensados aos homens. Mesmo assim, como
procedimentos terapêuticos, incluía-se extirpação de clitóris, introdução de gelo na vagina
e cirurgias para remoção de órgãos reprodutores, eletrochoques e a lobotomia, cirurgia
que retirava partes do cérebro e causava danos irreparáveis.
Diversidade de sintomas

Entre os principais “distúrbios femininos” estão a neurastenia ou exaustão dos nervos, a
histeria, a esquizofrenia, a anorexia e a depressão. Os sintomas variam das dores de
cabeça, irritação uterina, menstruação irregular, desmaios, recusa a comer, paralisia,
gritos sem razão aparente, tendência ao isolamento, alucinações e violência contra si e os
outros, características da esquizofrenia, que atinge aproximadamente 2% da população.
Em complementação aos tratamentos psiquiátricos, a Psicologia, com a psicanálise,
tentou a cura dos distúrbios mentais através da fala, levando-se em consideração a
sexualidade como a base da análise dos problemas somáticos. A insatisfação sexual
feminina causava a histeria, na medida em que transferia para o corpo o que não
encontrava outras formas de expressão. A clientela inicial de Freud, considerado o pai da
psicanálise, foi em sua maioria composta de mulheres. Nos métodos psicanalíticos, o
paciente encontraria os motivos de sua angústia dentro de si mesmo. Mas o feminismo
bateu de frente com esta ideia de que os problemas da mulher estariam dentro dela
mesma. Acreditava-se que a infelicidade feminina era causada pela sociedade patriarcal e
pelo machismo. O próprio Freud desistiu e em seus últimos anos de vida admitiu que
trinta anos de pesquisas da alma feminina não tinham sido suficientes para esclarecer o
que as mulheres queriam. Para ele, a vida sexual da mulher adulta era um “continente
misterioso” para a Psicologia.
A partir de 1950, outro tipo de tratamento amenizou o sofrimento das pessoas internadas
em hospitais psiquiátricos e, de certa forma, reduziu o papel da psicanálise. Foi o
desenvolvimento de drogas psicofarmacêuticas, substâncias limpas, simples e de fácil
administração, não causadoras de danos irreversíveis aos tecidos nervosos, como a
lobotomia, nem convulsões como os eletrochoques. Medicamentos como o Prozac e
Tofranil também aliviavam os sintomas de forma rápida e mais fácil que anos de análise.
Justamente com tais mudanças, o movimento antimanicomial, iniciado na Itália, ganhou
apoio da sociedade. A lei antimanicomial entrou em vigor no Brasil em 2001 e determina
um tratamento mais humanizado para as pessoas portadoras de transtornos psíquicos,
com a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição pela assistência aberta,
institucionalizando parâmetros para a internação obrigatória de doentes mentais.
Hoje a doença mais comum entre as mulheres é a depressão, atingindo quase 20% da
população feminina e representando um grave problema social, sendo responsável por
pelo menos a metade de todos os suicídios. A anorexia é outra doença tipicamente
feminina, 95% a 98% das pessoas acometidas por ela são mulheres.
Cultura x Biologia

Conforme a afirmação do início da reportagem, os transtornos psíquicos podem ter suas
origens em questões sociais, psicológicas, ambientais e culturais. Observamos que o
ambiente social onde a mulher vive é muito diferente do passado. Se por um lado ela tem
mais autonomia econômica, sexual e social, também aumentaram suas responsabilidades
em competir no mercado de trabalho, em cuidar dos filhos e viver em um mundo
estressante. Estudos científicos tentam explicar porque as mulheres são mais sujeitas a
tais transtornos em comparação aos homens.
Nas últimas décadas, com o desenvolvimento de tecnologias de ponta, está sendo
possível mapear áreas do cérebro até então desconhecidas. Uma série impressionante de
variações estruturais, químicas e funcionais entre o cérebro masculino e feminino está
sendo conhecida. Os resultados podem propiciar o desenvolvimento de tratamentos
específicos de acordo com o sexo para problemas como a depressão, vício, esquizofrenia
e transtorno de estresse pós-traumático. Descobriu-se, por exemplo, que anomalias no
cérebro estão por trás da esquizofrenia e que o cérebro feminino produz menos o
hormônio serotonina em comparação ao homem, podendo explicar porque as mulheres
estão mais sujeitas à depressão, pois a serotonina é responsável pelas variações de
humor.
Quando o homem passa por estresse, ele biologicamente reage de forma mais
extrovertida, como através do alcoolismo ou da agressividade. Já a mulher, também
biologicamente e culturalmente falando, é menos explosiva, até porque sabe que por
instinto de sobrevivência dela e dos filhos, uma atitude agressiva e de risco pode
comprometer o futuro de sua família. Ao reagir ao estresse de modo mais introvertido, não
explicitando suas emoções agressivamente, ela pode estar mais propensa a desenvolver
uma depressão. Esta é apenas uma entre tantas suposições atualmente discutidas sobre
as diferenças de gênero e que podem auxiliar em uma melhor qualidade de vida para as
mulheres.
Fontes

ENGEL. Magali. Psiquiatria e feminilidade. In DEL PRIORE, Mary (org.). “História das
Mulheres no Brasil”. São Paulo: Contexto, 1997.
VAN CREVELD, Martin. “Sexo privilegiado”. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
“Revista de História”, agosto de 2005.
Revista “Viver Mente e Cérebro Especial Diferença entre os Sexos”, março de 2005.
Revista “Scientific American Especial Ciência e Saúde / Mulher”, sem data.

Source: http://jornalmulier.com.br/wp-content/uploads/2012/12/7-Anorexia-depress%C3%A3o-histeria-s%C3%ADndrome-de-p%C3%A2nico-mulheres-s%C3%A3o-as-principais-v%C3%ADtimas-de-transtornos-psicossom%C3%A1ticos.pdf

Fertility2003 prog cover

Posters will be on display in Elphinstone Hall, the LinklaterMetabolic characterisation of isolated bovine inner cellRooms and the Old Senate Room. Please note that oddnumbered posters will be attended on Monday 14 Julybetween 17.30 and 18.30, and even numbered posters willFate of tetraploid cells in tetraploid - diploid chimericbe attended on Tuesday 15 July between 17.30 and 18.30. A

Prostate cancer

Prostate Basic description In American men, prostate cancer is the most common cancer (other than skin cancer) and the second leading cause of cancer death. The prostate gland is walnut-sized and is located in front of the rectum, behind the penis, and under the bladder. It makes some of the seminal fluid, which protects and nourishes sperm cells in semen. Most prostate cancers grow very

Copyright © 2010-2014 Medical Articles