Bardzo tanie apteki z dostawą w całej Polsce kupic cialis i ogromny wybór pigułek.

(microsoft word - medica\347\343o usual em pediatria)

MEDICAÇÃO USUAL EM PEDIATRIA

1 – Analgésicos

Para o uso da medicação analgésica devem ser considerados os requisitos:
a) Estabelecimento das características da dor e do quadro clínico associado de modo a
possibilitar o diagnóstico preciso da causa e a definição de uma terapêutica específica adequada. b) Estabelecimento de uma hipótese bem fundamentada e planejamento conveniente dos procedimentos diagnósticos, de tal maneira que a ausência da dor não dificulte suas conclusões. O alívio da dor é uma atividade nobre na medicina. É indesculpável deixar uma criança sofrer por causa do desconhecimento ou do temor em usar uma medicação conveniente. Permitir um sofrimento prolongado, considerando que o alívio da dor pode mascarar o quadro e, portando dificultar o diagnóstico, pode ser uma conduta talvez confortável para o médico, mas não para o seu pequeno paciente. A seqüência terapêutica mais lógica consiste no uso inicial de analgésico menos potente por via oral, seguidos pelos que podem ser administrados por via parenteral
(acetominofeno – paracetamol, ácido acetilsalicílico – aspirina, dipirona e alguns
antiinflamatórios não esteróides (AINE). Todos eles, utilizados também como
antitérmicos. Depois, vem seguidos dos analgésicos de grande potência (Codeína, Morfina,
Meperidina, Fentanil).
Analgésicos menores e antitérmicos
Nome
60mg/kg/dia, VO, a • pode causar desconforto GI, reações (AAS, Aspirina, • gotas = 10 mg • antiinflamatório cada 4 ou 6 horas alérgicas,, hepatotoxidade, redução da 15mg/kg/dose, VO, a • seu uso vem sendo relacionado com • antiinflamatório = 100mg/kg/dia, VO, a cada 4 ou 6 horas 4 a 6 vezes/dia hepatotoxidade, geralmente tardia, = tontura, sedação, náusea, vômito; raro: deficiência de G6PD • meia vida = 1-3 horas 5-16mg/kg/dose, • evitar emprego na agranulocitose • 4 a 10 mg/kg/dose, • efeitos colaterais: desconforto de 6/6h ou de gastrintestinal, rash, inibição da granulocitopenia, distúrbios visuais, insuficiência renal aguda.
2.- Antiinflamatórios não hormonais (AINE)

Atividades terapêuticas

Os medicamentos antiinflamatórios não hormonais são antipiréticos, analgésicos e antiinflamatórios; porém existem diferenças importantes em suas atividades. Quando utilizados como analgésicos, esses medicamentos geralmente são eficazes apenas para as dores de intensidade leve a moderada. Não têm os efeitos indesejáveis dos opióides no SNC, inclusive depressão respiratória e desenvolvimento de dependência física; e não alteram a percepção das modalidades sensoriais diferentes da dor. A dor pós-operatória crônica, ou a dor devida à inflamação, é controlada particularmente bem, enquanto as dores provenientes das vísceras ocas em geral não são atenuadas. Como antipiréticos, os EINE reduzem a temperatura corpórea nos estados febris, porém, alguns não são convenientes para uso prolongado ou rotineiro por causa de seus efeitos tóxicos. Como agentes antiinflamatórios, os AINE têm sua principal aplicação clínica no tratamento dos distúrbios músculo-esqueléticos como a artrite reumatóide, osteoartrite e espondilite anquilosante. Em geral, os AINE proporcionam apenas alívio sintomático da dor e da inflamação associadas à doença e não interrompem a progressão da lesão patológica dos tecidos durante os episódios graves. Pela capacidade de bloquear a síntese das prostaglandinas são usadas para fechar o canal arterial em recém-nascidos (indometacina e agentes semelhantes) e no tratamento das cólicas fortes (ac. mefenâmico = Ponstan) e outros sintomas da dismenorréia primária. A maioria dos medicamentos AINE disponíveis inibe tanto a atividade da ciclooxigenase-1 (COX-1, constitucional), quanto da ciclooxigenase-2 (COX-2, induzida
pela presença da inflamação) e desta forma as sínteses das prostaglandinas e do
tromboxano. A inibição da COX-2 parece mediar, pelo menos em parte, as ações
antipirética, analgésica e antiinflamatória dos AINE, porém a inibição simultânea da COX-
1 provoca efeitos colaterais indesejáveis, principalmente os que levam às úlceras gástricas
resultantes da produção reduzida de prostaglandinas e tromboxano.
Efeitos colaterais:
- Ulceração e intolerância gastrintestinais.
- Bloqueio da agregação plaquetária (inibição da síntese dos tromboxanos).
- Inibição da motilidade uterina (prolongamento da gestação).
- Inibição da função renal mediada pelas prostaglandinas (retenção de N+, K+ e água –
- Reações de hipersensibilidade.
Antiinflamatórios não hormonais (AINE)
Nome
• cápsula = 25mg • antiinflamatório, • antiinflamatório: e • > 14 anos: 1-3 gastrintestinais, discrasia sangüínea, mg/kg/dia, VO, 8/8 inibição da agregação plaquetária. Em • RN controlar função hepática e renal, fechamento do duto antes e durante o uso. Interromper medicação para débito urinário menor tratamento do PCA Idade Dose(mg/kg,IV) • contra-indicado em insuficiência <48h 0,20 0,10 0,10 hiperbilirrubinemia. 2-7dias 0,20 0,20 0,20 >7 dias 0,20 0,25 0,25 • 2mg/kg/dia, VO ou • efeitos comuns aos demais AINE • ARJ = 10mg/kg/dia • utilizados em crianças > de 1 ano • efeitos colaterais: náusea, vômitos, leucocitúria, rush, úlcera péptica. • 1 gota/kg de 6/6h • Dispepsia (ingerir com alimentos). 5mg/kg/dia • efeitos colaterais; febre, náuseas, 2 epigastralgias, sonolência, vertigens,
3.- Analgésicos maiores:
Nome
0.05-0,2 • dependência, depressão respiratória constipação, hipotensão, bradicardia, de quando a agitação • crianças: 0,1-0,2 aumenta pressão intra-craniana, miose, é devida a dor ou mg/kg/dose, SC, IM espasmo do trato biliar e urinário. tosse; no alívio de ou IV, cada 2-4 h •antagonistas: • amp: 2mg/2ml; crise de cianose, no (SN) analgésico • 1–1,5mg/kg/dose, • atravessa a barreira placentária IM, IV, ou VO, cada causando depressão respiratória no 3-4h (SN) máximo = RN; antídoto: Naloxone 0,1mg/kg (até 100mg/dose 4h) • efeitos colaterais semelhantes ao da morfina • cardíacas, asma, aumento da PIC. Potencializados fenotiazina, isoniazida e outros agentes de ação no SNC • opióide sintético, • 2-8µg/kg/dose, IV • 200-300 vezes mais potente que a até de 1/1 hora, S/N morfina; Pode ocorrer depressão as (max=10µg/kg/hora) respiratória como os demais opióides, barreiras biológicas • infusão contínua = vasodilatação periférica, queda RVS. de ação; utilizado • anestesia = 50 a Desenvolve tolerância. Reduzir a dose • 5mg/kg/dia, VO, • Sudorese, tonturas, náuseas, vômitos
4 - Febre

Febre é uma elevação da temperatura do corpo, controlada pelo sistema nervoso central, em resposta a uma pressão ou agressão. Infecções causadas por agentes microbianos como bactérias, vírus e muitos outros agentes agressores, estimulam macrófagos, células endoteliais, linfócitos e outras células as quais liberam pirogênios endógenos que incluem a Interleucina (IL) 1β. IL-6, o Fator de Necrose Tumoral-α (FNT-α) e o Interferon γ (INF-γ). Os pirogênios endógenos estimulam o hipotálamo que passa a produzir a prostaglandina E2 (PG E2) e outros metabólicos do ácido araquidônico que atuarão no centro termo-regulador, conhecido como “termostato”, o qual é constituído por um grupo de neurônios localizados no hipotálamo. Daí partem as transmissões neuronais que determinam contração muscular (que significa produção de calor) ou vaso constrição periférica, cujo significado é conservação do calor. Estas duas situações geram febre devido a reajuste do termostato hipotalâmico. A maioria dos processos febris em criança é autolimitado, resultante de doenças infecciosas sem gravidade; entretanto, a febre pode indicar infecções graves e, menos freqüentemente, se manifestação de doenças não-infecciosas, como alergia, doenças metabólicas, neoplasias, colagenoses, etc. A febre é a causa mais freqüente de consulta pediátrica.
“A febre é apenas um sintoma e não temos certeza de que seja um inimigo. Talvez seja
um amigo”.
(Dubois)

4.1 – Controle da temperatura corporal
A febre é uma resposta a uma agressão externa e representa um importante mecanismo de defesa contra infecção. Não é indicado o tratamento indiscriminado da febre. Na criança sadia, eutrófica, admitem-se temperaturas de até 39ºC sem medicação. Estes níveis são inaceitáveis para as mães, motivo pelo qual se sugere 38ºC e, se possível 38,5ºC, acima dos quais se indicam tratamento. O tratamento da febre é recomendado sempre que esteja ela causando incômodo e Crianças com doença grave, com septicemia e choque, ou com doenças metabólicas ou cardiopulmonares crônicas, devem sempre ser tratadas. As crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, com antecedente familiar ou pessoal de convulsão ou epilepsia, devem ser tratadas, embora seja discutível se o antipirético seja capaz de prevenir a convulsão. A escolha do antitérmico deve se basear na eficácia e segurança do medicamento e na avaliação dos riscos e benefícios, tendo-se em mente que todos eles podem provocar
reações adversas.


4.2 - Exame clínico da criança febril
a) Anamnese:
apetite, sede, sono, mobilidade espontânea, vontade de brincar.

b) Observação:
Características do choro, reação aos estímulos (sorrisos, ansiedade, choro,
etc.), estado de consciência, cor dos tegumentos, hidratação.
c) Pesquisa de um foco infeccioso:
sinais meníngeos, oculares; busca de adenopatias;
mobilidade das extremidades; palpação abdominal; inspeção genital; ausculta cardíaca e pulmonar; otoscopia; inspeção da cavidade bucal e faringe.
4.3 - Exames complementares para investigação da febre de origem indeterminada

Primeira fase:
1. Hemograma completo 2. Reação de fase aguda 3. Urina tipo I e urocultura 4. Hemocultura (2 pares) 5. Raio X de tórax 6. Reação de Mantoux 7. Provas de função hepática 1. Pesquisa de fator reumatóide, células LE, fator anti-núcleo, ASLO 2. Eletroforese de proteínas 3. Sorologia para toxoplasmose, CMV, EBV, sífilis, HIV, HBV e HCV 4. Lavado gástrico para pesquisa de BAAR 5. Mielograma com mielocultura 6. Raios X de seios da face e de mastóides 7. RX de ossos longos 8. Ultra-som de abdome 9. Ecocardiografia 10. LCR quimiocitológico e análise microbiológica 11. Avaliação da imunidade celular e humoral 1. Biópsia de medula 2. Biópsia hepática 3. Biópsia de gânglio 4. Biópsia de lesões de pele 5. Endoscopia endobrônquica e pesquisa na lavado broncoalveolar 6. Outras biópsias, dependentes do quadro clínico (rins, pleura, pulmão etc.). 4.4 - Doenças associadas à febre de origem indeterminada em crianças:
A. Doenças Infecciosas
B. Colagenoses
C. Neoplasias
D. Miscelânea
5 – Vômitos

5.1 - Avaliação do paciente com vômito

Pesquisar: Duração, intensidade e eliminação em jato (obstrução, neurológico) ou não
dos vômitos; características do material eliminado: alimentos, bile, sangue (Sind. de Mallory-Weiss); perda de peso; alterações abdominais; cirurgias anteriores; sinais de doenças sistêmicas ou do sistema nervoso central; técnica de preparo, administração e ingestão de alimentos; problemas emocionais e intranqüilidade às refeições, etc. - período neonatal imediato: deglutição intraparto, anomalias congênitas do
tubo digestivo, lesões intracranianas.
- segunda semana de vida: estenose hipertrófica de piloro.
- primeiro ano de vida: sepse, alterações metabólicas, erros alimentares,
alergia alimentar, refluxo gatroesofágico (RGE), infeções enterais,
parenterais.
- acima de 1 ano: diminui a freqüência, torna-se mais comuns as causas por
infecções enterais e parenterais, intoxicações alimentares, problemas
abdominais, hipoglicemia, cetose, desidratação, enxaqueca, psicogênico.

5.2 - Tratamento

a) da causa desencadeante (clínica, cirúrgica ou psicogênica)
b) dos distúrbios metabólicos (hidroeletrolíticos, acidobásicos e cetose)
c) tratamento dietético:
2.- hidratação oral 3.- introdução alimentar escalonada em pequenas quantidades, mantendo as refeições com menor volume e em pequenos intervalos. 4.- espessamento dos alimentos (papa de Epstein), 0,2-0,4mg/kg/dia. extrapiramidais, especialmente em de horas, VO, IM ou histamínicos. Não recomendado em e estase •0,2-0,3mg/kg/dose, •antagonista •2,5ml p/ 10kg de hematoliquórica e raramente causa peso, 3x/dia 6 - Tosse

6.1 - Função: proteção da árvore brônquica, impedindo a entrada de substâncias
nocivas e de corpos estranhos e auxiliando a expelir e remover as secreções e os detritos
nela acumulado.
O sedativo da tosse não deve ser utilizado nos estados patológicos como asma,
mucoviscidose, doença pulmonar obstrutiva crônica e outros em que seus
mecanismos são úteis para manter a permeabilidade das vias aéreas através da
eliminação das secreções em excesso. Os antitussígenos de ação central são contra-
indicados na tosse hipersecretória da coqueluche e na asma brônquica aguda. Em
crianças com menos de um ano de idade, o uso de sedativo de tosse deve ser
severamente restringido. Em lactente com menos de seis meses de idade, não deve
ser usado.
6.2 – Tipos de tosse: tosse seca, tosse úmida, tosse rouca, tosse afônica, tosse
emetizante, tosse quintosa, etc.
6.3 - Mecanismos desencadeantes:

a) Ato reflexo do ramo sensitivo do nervo vago. Os receptores da tosse estão localizados principalmente na entrada das vias aéreas, concentrados nas de maior calibre, laringe, carina e bifurcação dos brônquios de médio calibre. Há, também, receptores localizados no nariz, nos seios paranasais, na faringe, no conduto auditivo externo, na membrana timpânica, no pericárdio, na pleura, no diafragma, no estômago e no esôfago. b) Voluntariamente. A tosse pode ser iniciada, alterada ou suprimida voluntariamente, sugerindo a existência de um centro superior no sistema nervoso central. Causas de tosse em relação aos grupos etários.
6.4 - Tratamento

a) Medidas umidificadoras: hidratação oral, vaporizadores; nebulizadores e mucolíticos
b) Fisioterapia respiratória
c) Antibioticoterapia em caso de infecção bacteriana
d) Broncodilatadores quando houver evidências de broncoespasmo
c) Sedativos da tosse
Broncodilatadores
Principais Agentes β-agonistas e Doses Recomendadas
Broncodilatadores
Metilxantinas: Principais Produtos e Doses Recomendadas Mucolíticos
Ampolas para inalação Acima de 1 ano: 5ml de 8/8h Anti-tussígenos
7 – Profiláticos da Asma Brônquica

Nome
• Acima de 6 anos = 50 a 100 µg, 2, 3 ou 4 vezes ao dia; • pó p/ inalação = 100, 200 e 400 µg. • Caps. p/ inalação = 200 µg de 12/12 h. • susp. p/ aerossolterapia: fraconete de 2 ml, com 400µg/ml • caps. p/ inalação = 200 e 400 µg • Acima de 6 anos = 1 a 2 inalações por dia; • susp. p/ nebulização: 0,25 e 0,5 mg/ml; • susp. p/ inalação (crianças acima de 6 meses de idade) = • pó seco para inalação (turbuhaler) dose total diária de 0,25 a 0,5 mg (dose inicial) até 2mg para tubos com 100 doses de 200 µg/dose ou dose de manutenção. 200 doses de 100 µg/dose para crianças maiores de 6 anos. • spray aerossol 25/50, 25/125 e 25/250 µg • Acima de 4 anos = 1 inalação, VO, 2x/dia. • 6 meses a 2 anos = 1 sachê de grânulos orais de 4 mg, 1x/ • 2 a 5 anos = 1 sachê ou 1 comp de 4mg, 1x/ ao deitar; • 6 a 14 anos = 1 comp mastigável 5mg, 1x/ao deitar; • acima de 15 anos = 1 comp 10 mg, 1x/ao deitar.
8 – Profiláticos da Rinite Alérgica

Nome
• Acima de 6 anos = 1 aplicação em cada narina 2 vezes ao • spray nasal de 32 µg/dose ou 64 µg/dose • Acima de 6 anos e adultos = 2 aplicações de 64 µg ou 4 aplicações de 32 µg em cada narina, 1 a 2x/dia, reduzir a menor dose necessária ao controle dos sintomas durante a manutenção. Acima de 2 anos = 1 aplicação em cada narina 1 vez/dia. Acima de 12 anos = 2 aplicações em cada narina 1 vez/dia • 6 meses a 2 anos = 1 sachê de grânulos orais de 4 mg, 1x/ • 2 a 5 anos = 1 sachê ou 1 comp de 4mg, 1x/ ao deitar; • 6 a 14 anos = 1 comp mastigável 5mg, 1x/ao deitar; • acima de 15 anos = 1 comp 10 mg, 1x/ao deitar.
8 - Antiespasmódicos

Nome
biliares, • 0,3 a 0,6 mg/kg VO, •causa tontura, euforia, amnésia, antiemético. ação • 1 a 6 anos: 10-20 gts obstrução urinária (Flagass, Flano, • comp: 40mg/ml •antitussígeno 9 - Sedativos

A sedação da criança não é prática comum. No entanto, existem situações em que o emprego sintomático do sedativo poderá ser útil e justificado: procedimentos clínicos e laboratoriais desconfortáveis e que exigem pouca movimentação e tranqüilidade; crianças submetida a intensa pressão emocional ou que se mostra angustiada e aterrorizada em decorrência de situações que enfrentou ou assistiu; efeito de abuso de drogas; etc. Nome e •pode levar a hipotensão e depressão •amp.: 2ml/10mg de efeito sedativo, miorrelaxante: anticonvulsivante, VO:0,1-0,8 mg/kg/dia, glaucoma, choque e depressão. relaxante muscular 6/6 ou 8/8h IV=0,04- máximo=2mg/min. Não misturar a ou 0,3mg/kg/dose VR benzodiazepínicos. •sedação:0,035mg/kg, IV em 2min; repetir glaucoma de ângulo fechado. Usar S/N cimetidina, teofilina, ou outros agentes •infusão: 0,4-0,6µg/kg/ anestésicos. 5-15 •contra-indicado em insuficiência 8/8h, hepática ou renal. Cuidado quando e •hipnótico: 50-100 administração. Sua aspiração pode mg/kg/dose (máximo produzir laringoespasmo fatal. 0,5mg/kg •efeitos colaterais: são os descritos anticolinérgicos e extrapiramidais; ataxia, torpor, coma intercalado por crises de agitação psicomotora, confusão mental, alucinações auditivas e visuais léptico da classe •IM ou IV= 2,5-6 •efeitos antídoto p/ anfeta- •VO= 2,5-6mg/kg/dia, hipotensão, arritmia, agranulocitose. minas; antiemético; cada 4-6 horas hipertermias; com- •VR= 1,0mg/kg/dose narcóticos e sedativos. Reduz o limiar ponente do coque- cada 6-8 horas •pressão arterial deve ser controlada, tamento de RN de mãe dependente de morfina e heroína
10. Tratamento das principais parasitoses intestinais

Amebíase luminal
Teclosan (Falmonox)
E. histolytica
Comp. de 100 e 500mg; Susp: 50mg/ml.
Modo de usar: 1 a 3 anos: 1 colher de café 3x/dia; 4 a 7 anos: 1 colher de chá 3x/dia; 8 a 12
anos: 1 colher de sobremesa 3x/dia, administrados de 4/4 horas, durante 5 dias.
Etofamida (Kitnos)
Comp. de 500mg; Susp. a 2% (vd c/ 100ml).
Modo de usar: 200mg, 3x/dia, durante 5 dias.
Tinidazol (Pletil)
Comp. de 500mg; Drag. de 200mg; Supos. de 250mg; Susp. 100mg/ml (vd. com 15ml).
Modo de usar: 50mg/kg/dia durante 2 dias.
Metronidazol (Flagyl)
Comp. de 250mg; Susp: 200mg/5ml; Inj. 500mg/ml.
Modo de usar: 20 a 40 mg/kg/dia, durante 10 dias.
Amebíase tissular
Tinidazol durante 3 a 5 dias.
Metronidazol durante 10 dias.
Giardia lamblia
Tinidazol em dose única
Metronidazol 15-20mg/kg/dia durante 5 a 10 dias.
Ascaris lumbricoides
Levamisol (Ascaridil)
Comp. de 150 e 80 mg.
Modo de usar: Dose única (ao deitar). Até 1 ano 40mg; 1 a 7 anos 80mg; acima de 7 anos e
adulto 150mg.
Mebendazol (Necamin, Pantelmin, Sirben, etc.)
Comp. de 100mg; Susp: 100mg/5ml.
Modo de usar: 100mg, 2x/dia durante 3 dias, de preferência após às refeições.
Albendazol (Zentel, Zolben)
Comp. de 200mg e Susp. de 10ml = 400mg.
Modo de usar: 2 comp ou 10 ml em dose única.
Piperazina
Sua indicação tem-se restringido ao tratamento da sub-oclusão intestinal, na dosagem de
75mg/kg de peso, por tubo nasogástrico, com o paciente em jejum. A seguir, administra-se
Nujol, 40 a 60 ml, por sonda. Se necessário 15 a 30 ml a cada 2 horas.
Ancilostomídeo
Mebendazol ou Albendazol
Ent. vermicularis
Pamoato de Pirantel
Trichuris trichiura
Comp. 250mg e Susp: 250mg/5ml Modo de usar: 10mg/kg - Dose única. Hymenolepis nana
Praziquantel (Cestox)
Comp. de 150mg. Modo de usar: 25mg/kg. Dose única. Repetir após 10 dias.
Schistosoma mansoni Oxaminiquine (Mansil)
Caps. 250mg (Cx. c/ 12) e Xpe c/ 12 ml (50mg/ml). Modo de usar: até 12 anos: 20mg/kg divididos em 2 vezes em um único dia. Após 12 anos: 15mg/kg em dose única. Strongiloides
Tiabendazol (Thiaben, Tiabendazol)
Comp. de 50mg. Susp: 250mg/5ml
Modo de usar: 50mg/kg 1 vez após o jantar. Repetir após 10 dias.
Ivermectina (Revectina)
200µg/kg em dose única.
Comp. de 6mg. (Usar diluído em água – indicado também p/ filariose, escabiose, pediculose e
oncocercose).
Cambendazol ( Cambem)
Comp. de 180mg e Susp. de 6mg/ml.
Modo de usar: 5mg/kg, dose única após o jantar; ou de 2 a 6 anos: 10ml; 7 a 12 anos; 20 ml;
acima de 12 anos: 2 comp.
Albendazol por três dias consecutivos.
Taenia saginata
Praziquantel (Cestox)
Taenia solium
Comp. de 150mg. Modo de usar: 10mg/kg, dose única.
Na dose de 50mg/kg/dia, por 15 dias, é uma alternativa na neurocisticercose.
Mebendazol 2 vezes ao dia, durante 4 dias.
Albendazol por três dias consecutivos
Toxocara canis
Tiabendazol 25 mg/kg/dia por 5 a 7 dias, assim como outros anti-helmínticos: cambendazol,
mebendazol, albendazol, ivermectina.

11. Escabicidas/ Pediculicida

11.1 Benzoato de Benzila.
- líquido: aplicar à noite após o banho sobre a pele ainda úmida, nas lesões. Deixar
secar, fazendo logo nova aplicação e, sem enxugar, vestir-se ou deitar-se. Na manhã
seguinte, tomar novo banho e mudar as roupas do corpo e da cama.
- sabonete: lavar cuidadosamente a parte afetada pela escabiose ou pediculose.
11.2 Deltametrina
- pediculose: aplicar por 4 dias, repetindo após 7 dias, por mais 4 dias. - escabiose: aplicar por 4 dias. 11.3 Ivermectima
- para estrongiloidíase, filariose, escabiose e pediculose: criança de 15 a 24 kg -1/2 comprimido; de 25 a 35 kg – 1 comprimido; de 36 a 50 kg – 1 e ½ comprimido; de 51 a 65 kg – 2 comprimidos; de 66 a 79 kg – 2 e ½ comprimidos; acima de 80 kg – 200mcg/kg, dose única.
12. Vitaminas e Ferro

Vitamina A
e 10 a 20 gotas ao dia ou 2 a 3 drágeas ao Pediátrico: ampolas de RN = 1mg IM ou IV. vidro âmbar com 0,2ml = 2 Tratamento da doença hemorrágica do mg Gotas: 50mg/ml (1ml = 20 Tratamento: 4 a 5 mg/kg/dia 13. Anti- histamínicos

13. 1 Cetirizina
Apresentação: gotas (10mg/ml); solução oral (1 mg/ml); comprimidos (10 mg)
Posologia: de 2 a 6 anos: 5 mg -2,5 mg/dose, pela manhã e à noite; de 6 a 12 anos:
10 mg – 5mg/dose, pela manhã e à noite; acima de 12 anos: 10 mg – 1 vez ao dia.

13.2 Cimetidine
Apresentação: Comprimidos 200 mg; solução injetável 300 mg; solução oral 200
mg/5ml.
Via de administração: oral, intramuscular e intravenosa.
Posologia: 20 a 40 mg/kg/dia, de 6/6 ou de 12/12 horas.

13.3 Dextroclorofeniramina, maleato
Apresentação: suspensão oral (2 mg/5 ml); comprimidos (2 mg); drágea (6 mg). Posologia: 0,15mg/kg/dia ÷ 3 a 4x/dia; ou de 2 a 6 anos: ¼ de comprimido ou ¼ de colher de chá, de 8/8 horas; de 6 a 12 anos: ½ comprimido ou ½ colher de chá, de 8/8 horas; acima de 12 anos: 1 comprimido ou 1 colhe de chá, de 6/6 ou de 8/8 horas.
13.4 Hidroxizina
Apresentação: xarope e solução oral (2 mg/ml); comprimidos (10 mg); cápsulas e comprimidos sulcados (25 mg). Posologia: até 2 anos: 0,5 mg/kg ou 0,25 ml xarope/kg de 6/6h; de 2 a 6 anos: 25-50 mg/dia ou 12,5-25 ml xarope/dia ÷ e a 4 tomadas; de 6 a 12 anos: 50-100mg/dia ou 25-50 ml xarope/dia ÷ em 2 a 4 tomadas; acima de 12 anos: 25-100 mg, 3 a 4 vezes ao dia. 14. Dermatite de fralda

14.1Lesões irritativas ou dermatites de contato alérgicas envolvem as superfícies
convexas, poupando as dobras na área da fralda: limpeza delicada e meticulosa da área e aplicações de lubrificantes (p. ex. vaselina, cremes hidratantes) e pastas servindo como barreiras (p. ex., óxido de zinco); Na dermatite grave usar cremes de corticóide de baixa potência (p.ex., hidrocortisona). 14.2Lesões por candidíase aparece como uma erupção eritematosa brilhante com
bordas nítidas, pápulas-satélites eritematosas e pustulas, envolvendo as dobras cutâneas: antifúngicos tópicos como a nistatina, cetoconazol e imidazólicos.
Bibliografia:

GOODMAN & GILMAN. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 9.ed. México: The McGraw-Hill
MATSUMOTO, T., CARVALHO, W.B., HIRSCHEIMER, M.R. Terapia Intensiva Pediátrica. São
NESTLÉ NUTRIÇÃO. Medicamentos Habitualmente Usados em Pediatria. 12ª edição. 2003.
ROZOF, TATIANA. Doenças Pulmonares em Pediatria: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo:
SCHVATSMAN, C., SAEZ, A.V., WAKSMAN. R.D. et al. Medicação Sintomática em Pediatria. São
Paulo: Centro de Estudos Prof. Pedro de Alcântara, Projeto Áries. SUCUPIRA, A.C.S.L., BRESOLIN, A.M.B., MARCONDES, E. et al. Pediatria em Consultório. 3.ed.
TONELLI, E. Doenças Infecciosas na Infância e Adolescência. 2.ed. Belo Horizonte: Editora Medsi,

Source: http://www.orlandopereira.com.br/puericultura/Medicacao%20Usual%20em%20Pediatria.pdf

Microsoft word - cd newsletter articles.doc

TREATING POSITIONAL VERTIGO New Multi-Specialty Guidelines for Positional Vertigo (BPPV) Released (2008) Benign Paroxysmal Positional Vertigo (BPPV) is by far the most common cause of episodic vertigo, and accounts for 20 to 25% of all patients seen in a vestibular specialty clinic. Patients typically report brief episodes (less than one minute) of intense vertigo, usually brought on by ly

Untitled

Thermodynamics and Kinetics of in situ Nitroxide Mediated Polymerization L. Bentein, M.-F. Reyniers, G.B. Marin University Ghent, Belgium, Laboratory for Chemical Technology Controlled radical polymerization (CRP) is a promising polymerization technique that enables to produce well-defined, end-functionalized polymers at milder experimental reaction conditions than living ionic polymerization. An

Copyright © 2010-2014 Medical Articles